O VINHO (VIVO) MAIS ANTIGO DO BRASIL #cabernetfranc

0
541

Este Cabernet Franc tem 72 anos e foi produzido pela Sociedade Cooperativa Vinícola Rio-Grandense.

00:00 Vinho vivo!
Apresento o vinho brasileiro (vivo) mais antigo do Brasil, é um Cabernet Franc safra 1951, com 72 anos. Eu chamo este vinho antigo de “vivo” em razão dele ainda estar em condições de ser degustado. Vou contar a história por trás deste vinho, explicar como se abre uma garrafa antiga como esta e fazer a degustação e análise.

01:05 Vinícola Rio-Grandense
Este vinho foi produzido pela Sociedade Cooperativa Vinícola Rio-Grandense. Ela foi fundada em 1929 e por décadas dominou o mercado brasileiro e também era um forte exportador, chegou a ter até navio para escoar a produção. Mas, por inúmeros motivos, encerrou a suas atividades em 1997. A uva é Cabernet Franc, que já foi a variedade europeia mais plantada no Rio Grande do Sul e, por consequência, no Brasil.

02:28 O encontro
Pouco antes da extinção da Sociedade Cooperativa Vinícola Rio-Grandense, há mais 25 anos, centenas de garrafas foram encontradas em um porão, com uma plaquinha de madeira indicando o ano de 1951. Pelo estado das garrafas havia clara indicação de que elas anteriormente já estiveram enterradas. Em 2018, em um jantar de enólogos amigos, foi levada uma garrafa, apenas para ilustrar a tradição dos imigrantes e do Rio Grande do Sul na produção de vinhos. Mas foi uma grande surpresa quando constataram que o vinho ainda estava vivo e apto para consumo.

03:54 Garrafa.
Adquiri este vinho em junho de 2021, juntamente com outra da safra 1955, de Andrea Trentini, uma das responsáveis pela guarda destas preciosidades.
Para abrir, vou lavar a garrafa e o lacre. Uma rolha com mais de 70 anos deve ser retirada com muito cuidado, pois ela pode se partir ou esfarelar. Vinhos antigos desenvolvem cristais. Isso é normal. Vou utilizar um decanter justamente para separar estas partículas sólidas. Elas não fazem mal à saúde e geralmente não têm gosto, mas incomodam na boca.

05:29 O que esperar.
O que esperar deste vinho? 95% dos vinhos são produzidos para serem consumidos jovens e não suportam o passar dos anos, vão perdendo as suas características. Uma pequena minoria, os chamados vinhos de guarda, não somente suportam o passar dois anos, como também melhoram com o tempo. É o que chamamos de evolução do vinho. Mas, com certeza, este não possui os mesmos aromas de um vinho jovem. Há um vídeo no canal onde explico com detalhe os aromas e sabores de um vinho envelhecido:

07:13 Limpeza da garrafa.

08:04: Saca-rolhas.
Para abrir uma garrafa tão antiga é necessário um saca-rolhas especial com conjuga dois tipos: de lâminas paralelas e de espiral.

08:21 Abertura da garrafa.

09:15 Decantação.
Lentamente, com uma fonte de luz no pescoço da garrafa, no nosso caso a lanterna de um celular, vou vertendo vinho lentamente no decanter, até perceber a aproximação dos cristais. Para evitar que os cristais caiam no decanter retirei o vinho da adega refrigerada, onde ficou na posição horizontal e, no dia anterior, coloquei na geladeira, na posição vertical, para que os cristais se acomodassem no fundo da garrafa.

10:31 Degustação e análise.
O normal é que um vinho jovem de Cabernet Franc apresente cor rubi, mas a idade muda a cor do vinho. Este bom velhinho de 72 anos apresenta cor atijolada, com tons castanhos, mas ainda tem um bom brilho. A intensidade da cor é pálida.
Tem média intensidade de aromas, com notas de licorice, balsâmicas, resinosas, ameixa preta seca e eucalipto. Na boca o que chama a atenção é que o vinho está vivo, com boa acidez, considerando a idade. Justamente a acidez é um dos elementos estruturais do vinho que lhe garantem uma boa longevidade.
Os Taninos são delicados. Na boca o eucalipto sentido no nariz se apresenta como notas mentoladas, as quais conferem ao vinho, juntamente com a acidez, uma sensação de refrescância.
Não se encontra neste vinho septuagenário a riqueza da fruta que existe em um vinho jovem, mas é inacreditável que um vinho brasileiro, com 72 anos, ainda esteja em boas condições de consumo. Valeu a muito a experiencia de degustar este vinho. Por enquanto, é o vinho mais antigo que já provei.

15:06 Valeu de mais.

——————–
Sou Mauricio Ferreira, um Apaixonado por Vinhos, e minha missão é levar o conhecimento sobre o mundo do vinho de forma simples e descomplicada, de maneira que todos entendam.
Creio que, no mundo do vinho, “quanto mais você conhece, melhor você escolhe e mais você aprecia”.
Sou Certificado pela Wine & Spirit Education Trust – WSET, Nível 3 e pela
Wine Scholar Guild, no French Scholar Wine – FWS, um curso aprofundado sobre vinhos da França.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here